Roteiros: Deserto do Atacama - parte 3/3



Quando se chega em San Pedro vindo da Bolívia, é preciso passar pela Aduana e fazer a todo o processo de imigração. Isso foi bem demorado! Levamos umas 2 horas na fila esperando pra ter nosso passaporte carimbado e nossa bagagem revistada. Em seguida saímos de lá e fomos reclamar na Colque Tours de todo o ocorrido no dia anterior, em Uyuni. Fizemos um relato escrito onde todos assinaram, mas não deu em nada. Pelo menos nos deram uma garrafa de água para cada um e eu consegui recuprar meu tripé (ha!). Eles haviam guardado.

Se eu posso tirar uma lição dessa história é a seguinte: não compensa marcar o passeio de 4 dias e 3 noites! O problema é que a outra opção frequente é 2 dias e uma noite, que acaba sendo corrido demais. Na Colque Tours, pelo menos, eles só fazem de 3 dias e duas noites, se houver um grupo de 6 pessoas completo. Esse seria o tempo ideal, sem ter que perder essas horas preciosas em Uyuni e podendo ver tudo. Então, se você encontrar uma agência que faça esse roteiro (3 dias e 2 noites), feche com eles e use esse dia a mais em San Pedro. Fora esse incidente, não tenho do que reclamar da Colque Tours. Os motoristas foram excelentes e não tivemos nenhum outro problema.
Saímos da Colque, almoçamos e alugamos bikes. O plano era ir para Pukará de Quitor, mas encontramos uns franceses no caminho que nos recomendaram a Quebrada del Diablo e foi fantástico!!! Nos sentimos num programa do Canal Off com as paisagens mais loucas que encontramos. O passeio é bem cansativo, tem que levar bastante água. Acabamos não subindo nas ruínas de Pukará porque ficou tarde e frio. 
Voltamos para SPA, tomamos banho, nos agasalhamos bem, jantamos e fomos esperar o ônibus que nos levaria para um dos passeios que eu mais queria fazer - o que me fez comprar o tripé: o tour astronômico. Escolhemo a Star Tours, pois haviam nos recomendado fortemente essa agência e não nos arrependemos. O passeio é caro: 20.000 pesos por pessoa e inclui o translado, cobertores ou roupas de frio adicionais (acredite, você vai precisar!) e chocolate quente ou chá no final. O ônibus passou para nos pegar mais ou menos às 23:00h.
Chegando no local, praticamente não há luzes acesas e você nem vê o rosto da astrônoma que começa a dar uma aula de astronomia básica. Foi fantástico e o céu estava lindíssimo! Em seguida, chega o marido dela, também astrônomo e continua a aula na prática, onde tivemos a chance de observar estrelas, supernovas, planetas, a via láctea nos telescópios gigantes que tem lá (são 10, no total). Ao final dessa aula, quando você já nem sabe se tem pés de tão congelados que eles ficam, nos conduzem para dentro da casa quentinha, onde um chocolate quente delicioso nos aguarda e a aula continua. Confesso que estava extremamente cansada e "pesquei" em vários momentos, mas consegui aprender algumas coisas e principalmente a fotografar o céu estrelado. :)

O Vulcão Lincancabur é visto de toda a cidade

Finalmente era hora de dormir! Dessa vez ficamos na barraca armada oferecida pelo mesmo hostel, porque já não tinha lugar nos quartos. Achei bem confortável. São duas camas box de solteiro e eu conseguia ficar totalmente em pé dentro da barraca. 
Hostel Aji Verde à noite
O dia seguinte foi meio perdido por nossa própria culpa e por falta e dinheiro nos caixas eletrônicos (era pós feriado de Festas Pátrias e a cidade havia estava lotada). Não conseguíamos sacar dinheiro e com isso nos enrolamos e perdemos tempo para alugar bike ou mesmo ir de ônibus no passeio da Laguna Cejar, que acabamos não fazendo. Foi frustrante. Mas já havíamos visto coisas tão lindas que não chegamos a ficar tristes. Passeamos por San Pedro, compramos os souvenirs, agendamos nosso transfer para o aeroporto de Calama no dia seguinte e dormimos nossa última noite nessa cidade fantástica.


A via Láctea. Foto tirada com a ajuda do astrônomo na minha câmera.
Veja a primeira e a segunda parte dessa viagem aqui e aqui.

Comentários

  1. Oi Mariana, você tirou esta última foto com uma máquina comum?
    Irei para o Atacama exatamente no mesmo dia em que você foi.. dia 12 de setembro... ainda estava muito frio nesta época?
    Obrigada....
    Andreia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Infelizmente não sei seu nome...
      Tirei essa foto com uma Canon Rebel T3i e com o tripé, que é fundamental, pois para fazer a foto, é necessário um tempo bem grande de exposição (30 segundos) e não tem como fazer isso segurando a câmera na mão, pois a gente acaba mexendo. Comprei o tripé só pra esse passeio! Creio que seja possível fazer a foto com qualquer câmera onde se possa mexer na abertura do obturador e tempo de exposição. Sobre o clima, de dia era quente, mas nunca insuportável, pois sempre venta. À noite é sempre muito frio. A mala tem que conter roupa pros extremos, incluindo underware, gorro, luva, etc. Boa viagem!

      Excluir
    2. Andreia, me desculpe! Depois que vi que você tinha assinado em baixo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Roteiros: Sul da França - parte 3: Calanques de Cassis (TUDO que você precisa saber para chegar no paraíso)

Cheesecake PERFEITO

Roteiro: Fernando de Noronha 4 dias e 3 noites