Roteiros/Relatos: Eurotrip - Berlim

 (Várias fotos dessa postagem foram removidas pelo Blogger. Um dia eu tomo tempo e recoloco).

Finalmente, depois de um longo e tenebroso período de plantões, volto a ter tempo de escrever aqui. A viagem vai ficando cada vez mais pra trás, assim como as lembranças. Mas a sorte é que até Praga, eu ainda consegui manter em dia uma espécie de diário de bordo, onde anotava os lugares visitados e as impressões sobre eles. Já na Croácia... bem, isso é tema para um próximo post.
 Recordando, a minha entrada na Europa foi pela Alemanha. Meu vôo para Paris, fazia escala em Frankfurt e eu pude conhecer o lindíssimo e moderno aeroporto daquela cidade. Na ida para Berlim, esperava algo semelhante... mas não foi bem isso que vi. Antes, porém, preciso relatar a coisa linda que foi o vôo de Genebra para Berlim. O tempo em Genebra estava bem fechado, chuvoso, mas foi só o avião atravessar as densas nuvens, para uma imagem lindíssima surgir: os topos dos Alpes suíços entremeados pelas nuvens! Tirei umas 30 fotos praticamente iguais...(Rs). Mas era por demais encantador.
Vista dos Alpes do avião
 Bem, voltando às primeiras impressões de Berlim... Pousei no Schonefeld e depois fui para o Tegel, para encontrar com minha BF, Juliana, que me acompanharia até a volta ao Brasil. Achei os dois aeroportos velhos e até um pouco mal conservados (falando especificamente dos banheiros). Porém, são extremamente práticos, vc já sai do avião do lado de onde retira as malas, atravessa uma porta e já está no saguão. Nada de ficar andando quiilômetros! Em menos de 20 minutos, eu pousei e estava no estacionamento.
Tivemos direito a um "motorista particular" e guia turístico que conhecemos na nossa chegada, o Márcio (noivo da nossa anfitriã na cidade, a Simone). O Márcio morou no interior da Alemanha durante a infância e fala alemão perfeitamente, o que nos ajudou muito.
Próximo à Alexander Platz
Pude notar, de cara, que Berlim é plana, de ruas largas, com trânsito tranquilo (nada de aglomeração de carros e os motoristas são calmos). Os prédios residenciais me lembraram um pouco Brasília. Não são velhos, já que 70% da cidade foi destruída na Segunda Guerra, mas são funcionais, com pouco charme. Eu não conseguia perceber quando estávamos no lado Ocidental ou Oriental da cidade. Pra mim, era tudo muito parecido. Chegamos a conclusão, Juliana e eu, de que Berlim é uma cidade "macho", enquanto Praga é "fêmea", por exemplo.
 Vê-se muitas construções pela cidade toda. Há muitos prédios modernos. Muito concreto com vidro. Muita coisa para se ver... Porém, só passaríamos 2 dias ali. Que pena!
Almoço da chegada
 Eu já tinha ouvido dizer que os preços eram menores que nos outros países e realmente acho que é verdade. Era possível fazer uma boa refeição num restaurante, com direito a sobremesa e suco/refrigerante por menos de 20 Euros. Em Paris, por exemplo, por esse preço, você ficaria sem a sobremesa.
 Na Alemanha, assim como na Suíca, tem iogurtes e queijos deliciosos!!! Me dá saudade só de lembrar...
Estação Central
 Fizemos um passeio de barco que é legal, custa 10,00 Euros (o trecho de 1 hora). De lá, pudemos ver vários prédios e monumentos históricos. No dia seguinte, fizemos uma coisa fantástica que recomendo e considero imperdível: o walking free tour da empresa Sandeman. Essa empresa está presenta em várias cidade da Europa e oferece tours com guias que falam ou inglês ou espanhol. Eles são jovens, normalente estrangeiros, bem informados e muito animados. O tour é à pé, gratuito, entretanto no final, o guia irá explicar que se você quiser, pode deixar uma contribuição. A empresa oferece outros tours pagos que fizemos em Praga.
Portal de Bradenburgo
 Essa experiência muda toda a perspectiva da cidade, pois é recheada de informações históricas, culturais, além do fato de se andar pelas ruas, junto dos habitantes locais, de outros turistas. É uma experiência e tanto!
Os guias saem diariamente, faça chuva ou sol, às 13h de frente da Starbucks da Parisier Platz. As informações que obtivemos no passeio foram tão densas que eu saí até meio zonza com a complexidade da cidade.
Não lembro o nome... Hunpf!
 Tivemos a chance de ver o Festival of Lights, onde todos os principais pontos turísticos da cidade estavam iluminados. Muito bonito!
 Fiquei impressionada com a quantidade de fotógrafos, com seus tripés, onde quer que fôssemos em Berlim, principalmente à noite. Talvez fosse por causa da iluminação diferenciada dos monumentos.


Memorial aos Judeus Mortos na Guerra
 A visita foi rápida demais pra poder dizer que conheci a cidade. Há parques lindos que só passamos por fora. Há museus, galerias de arte, teatros, estádios da copa de 2006... enfim, há muita coisa para fazer. Espero poder voltar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Roteiros: Sul da França - parte 3: Calanques de Cassis (TUDO que você precisa saber para chegar no paraíso)

Cheesecake PERFEITO

Receitas: Torta Gabi Yuassa (negresco com chocolate e frutas vermelhas)