Roteiros/Relatos: Eurotrip - Croácia

(Várias fotos dessa postagem foram removidas pelo Blogger. Um dia eu tomo tempo e recoloco).

Finalmente chegamos ao final da viagem!!!! Que saudade que dá de escrever isso e e ver as fotos...


Old Town Dubrovnik
Chegamos, enfim, àquele lugar em que todos perguntavam: o que você vai fazer na Croácia? Por que a Croácia? Bem, as fotos falam por si. Vejam e tirem suas próprias conclusões.

Chegamos de avião a Dubrovnik, cidade no litoral sul. Uma das mais turísticas do país e destino de vários cruzeiros europeus. Na europa dizem que a Croácia tem sido muito procurada no verão, porém estávamos no outono e não deu pra aproveitar as praias. Mesmo assim, valeu a pena.

Essa cidade, e muitas outras no país, tem uma parte antiga, murada, que se chama Old Town. A de lá foi a mais bem conservada e linda que visitamos. Dá pra andar por cima das muralhas e observar que há gente morando ali, escola pras crianças... ou seja, é de verdade!!! Tem um bondinho tipo o do Pão de Açúcar que te leva até o topo de uma montanha de onde se vê toda a cidade.

A cor do mar é impressionante! Do avião eu já percebi que o azul realmente salta aos olhos. Dizem que é o Adriático é o mar mais azul do mundo. Eu não duvido.
Dubrovnik
Infelizmente, o lugar é bastante explorado turisticamente falando e as coisas não são baratas, como me disseram que era.

Viajamos de carro pelo país e isso foi fantástico! Desde as estradas costeiras, até as super modernas e bem conservadas highways. Vimos paisagens inesquecíveis!

Ficamos em dois hostels bem familiares, tanto em Dubrovnik, quanto em Split. Éramos as únicas hóspedes e eles deixavam a casa aberta pra gente. Era tudo bem caseiro. Não tinha garagem. Estacionávamos na rua. Mas parecia ser bem seguro e é assim que as pessoas vivem lá.
Dubrovnik

Split é a segunda maior cidade do país e também tem um Old Town, bem menos conservado que o de Dubrovnik. De lá pode-se pegar barcos pra passar o dia em Hvar, que é uma ilha bem famosa e linda (pelas fotos que vi). Mas como não estava calor e não poderíamos pegar praia - e era preciso passar o dia inteiro lá por causa do horário dos barcos - desistimos de ir por medo de não ter muito o que fazer. Conhecemos, então, Trogir, uma outr ailha bem pertinho de Split. Mais uma vez, Old Town!!!... Gostamos bastante de lá. A geografia é interessante e tem horas que vc não sabe se está diante do mar ou de um lago. Até porque o mar quase não tem onda.


Juju, minha grande companheira de aventuras
Vista de cima da montanha Dubrovnik
High Way

Split
Trogir

O nosso penúltimo destino no país - e o mais esperado por mim - foram os lagos do parque Plitvice. Esse parque é patrimônio da humanidade pela Unesco e só de olhar as fotos e ler os relatos, eu já ficava sem fôlego. O dia estava um pouco chuvoso e bem frio. Além disso, tínhamos pouco tempo pra ficar por lá e tivemos que escolher a rota mais curta (há duas rotas no parque). Um detalhe é que foi bem difícil de achar o parque no GPS. Mas fomos seguindo o rumo até que as placas começaram a aparecer e chegamos lá, sem problemas. O ingresso custa 110 Kunas (uns R$ 37,00) e o parque fica aberto o ano inteiro. Tem estacionamento pago, mas não é caro.
Plitvice Park

O lugar é absolutamente imperdível! Se for à Croácia, não deixe de visitar o parque. Como era outono, a vegetação estava toda alaranjada e contrastava com os vários tons de verde dos lagos, criando paisagens incríveis! Conseguimos ver metado do parque (quem sabe menos) em pouco menos de duas horas de caminhada leve, com direito a várias paradas para fotos e para um pic-nic.

Plitvice Park
Plitvice Park
De lá, seguimos para Zagreb, capital do país, de onde voltaríamos para o Brasil. As estradas na Croácia são ótimas, com pedágios justos e o preço da gasolina é semelhante ao do Brasil. Porém os policiais são corruptos, sabem que seu carro é alugado e sempre vão te parar. Passamos por alguns apuros em relação a isso e pagamos uma multa injusta de 300 kunas (R$ 100,00) que tenho certeza que foi direto pro bolso do policial. A impressão é que o fato de sermos mulheres, agravava o abuso. Fiquem ligados!


Zagreb


O hostel de Zagreb foi o melhor de todos da viagem. Era o Funk Lounge.  Lamentamos por ser só por uma noite. Tinha uma cama de casal, com uma de solteiro por cima, grandes e confortáveis, WiFi (que era o que a gente mais procurava em todo lugar que íamos), banheiro e chuveiro bons! Não tinha café da manhã, mas tinha uma padaria bem ao lado. Só foi meio ruim pra parar o carro, porque era no centro e tinha parquímetro. Mas demos um jeito de colocar num estacionamento interno da quadra, já que no site dizia que tinha estacionamento. O pessoal do hostel era bem bacana!
Zagreb
Aeroporto de Zagreb








Da cidade mesmo a gente só conheceu a praça próxima a catedral e um shopping na avenida que vai pro aeroporto. Esse sim, bem pequeno pra ser o da capital do país. Mas tinha umas cadeiras espreguiçadeiras onde passamos algumas horas esperando nosso vôo.



                               E essa foi a minha viagem. Que venham as proximas!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Roteiros: Sul da França - parte 3: Calanques de Cassis (TUDO que você precisa saber para chegar no paraíso)

Cheesecake PERFEITO

Receitas: Torta Gabi Yuassa (negresco com chocolate e frutas vermelhas)